darktable

O binário darktable inicia o darktable com sua interface gráfica e todas as funcionalidades. Esta é a forma padrão de usar o darktable.

O darktable pode ser invocado com os seguintes parâmetros de linha de comando:

darktable [-d {all,cache,camctl,camsupport,control,dev,
	fswatch,input,lighttable,lua,masks,memory,nan,
	opencl,perf,pwstorage,print,sql,ioporder,
	imageio,undo,signal}]
	[<arquivo de entrada>|<pasta de imagens>]
	[--version]
	[--disable-opencl]
	[--library <arquivo da biblioteca>]
	[--datadir <pasta de dados>]
	[--moduledir <pasta de módulos>]
	[--tmpdir <pasta temporária>]
	[--configdir <pasta de configuração do usuário>]
	[--cachedir <pasta de cache do usuário>]
	[--localedir <pasta locale>]
	[--luacmd <comandos lua>]
	[--noiseprofiles <arquivo de perfis de ruído json>]
	[--d-signal <sinal>]
	[--d-signal-act <all,raise,connect,disconnect,print-trace>]
	[--enforce-tiling]
	[--conf <chave>=<valor>]
	[-t <num subprocessos openmp >]

Todos os parâmetros são opcionais. Na maioria dos caso, o darktable deve ser iniciado sem nenhum parâmetro adicional, o que fará com que sejam usados os valores padrão adequados.

-d {all,cache,camctl,camsupport,control,dev,fswatch,input,lighttable,lua,masks,memory,nan,opencl,perf,pwstorage,print,sqlioporder,imageio,undo,signal}
Enable debug output to the terminal. There are several subsystems of darktable and each of them can be debugged separately. You can use this option multiple times if you want to debug more than one subsystem (e.g. darktable -d opencl -d camctl) or debug all of them at once (with -d all). Some debug options also provide more verbose output, which can be invoked with the additional option -d verbose. The verbose option must be explicitly provided, even when using -d all.
--d-signal <sinal>
Se -d signal ou -d all for usado, especifique o sinal para depurar usando esta opção. Especifique ALL para depurar todos os sinais ou especifique o sinal com seu nome completo. Pode ser usado múltiplas vezes.
--d-signal-act <all,raise,connect,disconnect,print-trace>
Se -d signal ou -d all for usado, especifique a ação do sinal para depurar usando esta opção.
--enforce-tiling
Força o uso do ladrilhamento, mesmo em sistemas com muita memória (para depurar mais facilmente os problemas de ladrilhamento).
<arquivo de entrada>|<pasta de imagens>
Opcionalmente, forneça o nome de um arquivo de imagem ou pasta. Se um nome de arquivo for fornecido, o darktable inicia na vista da sala escura com o referido arquivo aberto. Se uma pasta for fornecida, o darktable inicia na vista da mesa de luz com o conteúdo da pasta como coleção atual.
--version
Imprime o número de versão do darktable, um aviso de direitos autorais, algumas outras informações úteis e sai.
--disable-opencl
Evita que o darktable inicialize o subsistema OpenCL. Use esta opção se o darktable travar na inicialização devido a uma implementação do OpenCL defeituosa.
--library <arquivo de biblioteca>
O darktable mantém as informações das imagens em uma base de dados sqlite para um acesso rápido. A localização padrão desse arquivo de base de dados é $HOME/.config/darktable/library.db. Use esta opção para fornecer uma localização alternativa (por exemplo, se deseja realizar algumas experiências sem comprometer seu arquivo library.db original). Se o arquivo de base de dados não existir, o darktable o criará automaticamente. Você também pode informar : memory: como arquivo de biblioteca, sendo que neste caso a base de dados é mantida na memória do sistema – todas as modificações serão descartadas quando o darktable for encerrado.

Sempre que o darktable é iniciado, ele bloqueará a biblioteca para o usuário atual. Isto é feito salvando o identificador do processo (PID, sigla em inglês) atual em um arquivo de bloqueio <arquivo de biblioteca>.lock junto à biblioteca especificada. Se o darktable encontrar um arquivo de bloqueio existente para a biblioteca, terminará imediatamente.

--datadir <pasta de dados>
Define a pasta onde o darktable encontra seus dados de tempo de execução. A localização padrão depende de sua instalação. As localizações típicas são /opt/darktable/share/darktable/ e /usr/share/darktable/.
--moduledir <pasta de módulo>
O darktable possui uma estrutura modular e organiza seus módulos como bibliotecas compartilhadas para carregamento em tempo de execução. Esta opção informa ao darktable onde procurar por bibliotecas compartilhadas. Localizações típicas são /opt/darktable/lib64/darktable/ e /usr/lib64/darktable/.
--tmpdir <pasta temporária>
Define onde o darktable deve armazenar seus arquivos temporários. Se nenhuma opção for fornecida, o darktable usa o padrão do sistema.
--configdir <pasta de configuração>
Define a pasta onde o darktable armazena a configuração específica do usuário. A localização padrão é $HOME/.config/darktable/.
--cachedir <pasta de cache>
O darktable mantém uma cache de miniaturas das imagens para uma visualização prévia mais rápida da imagem e binários pré-compilados do OpenCL para inicialização rápida. Por padrão, a cache está localizada em $HOME/.cache/darktable/. Podem existir várias caches de miniaturas em paralelo – uma para cada arquivo de biblioteca.
--localedir <pasta locale>
Define onde o darktable pode encontrar os textos específicos de cada idioma. A localização padrão depende de sua instalação. Localizações típicas são /opt/darktable/share/locale/ e /usr/share/locale/.
--luacmd <comando lua>
Um texto contendo comandos do lua a serem executado após a inicialização do lua. Estes comandos serão executados após seu arquivo “luarc”.
Se o lua não estiver compilado, esta opção será aceita mas não fará nada.
--noiseprofiles <arquivos de perfil de ruído json>
Fornece um arquivo json que contém perfis de ruído específicos de determinadas câmeras. A localização padrão depende de sua instalação. Localizações típicas são /opt/darktable/share/darktable/noiseprofile.json e /usr/share/darktable/noiseprofile.json.
--conf <chave>=<valor>
O darktable suporta um conjunto amplo de parâmetros de configuração definidos pelo usuário em $HOME/.config/darktable/darktablerc. Você pode sobrescrever temporariamente configurações individuais na linha de comando com esta opção – estas configurações não serão armazenadas no darktablerc ao sair.
-t <num subprocessos openmp>
limita o número de subprocessos openmp para usar em sessões paralelas de openmp.

translations